Exercício de 2015

 

RELATÓRIO DE GESTÃO – 2015

As actividades da Associação Portuguesa do Veículo a Gás Natural desenvolveram-se de modo regular ao longo do exercício de 2015. O facto mais relevante do ano foi o seu Workshop GNL nos Transportes, realizado a 30 de Junho em Lisboa com a presença de mais de 60 utilizadores, técnicos e especialistas em retrofitting.

Em 2015 a página do Facebook da APVGN (https://www.facebook.com/apvgn), manteve uma dinâmica de cinco inserções de notícias por semana. No fim do ano a página já tinha 321 “gostos”, provenientes de Portugal e de muitos outros países. O seu alcance esteve sempre na média das 150 visualizações diárias, tendo aumentado no 2º semestre do ano. A APVGN considera que a página do Facebook substitui com vantagem e menor custo a sua antiga revista em papel.

Por sua vez, o sítio web da APVGN (http://www.apvgn.pt) continuou a ser actualizado de modo regular e em 31 de Dezembro de 2015 as estatísticas do servidor onde está alojado registaram o número total de 23.918 visitantes únicos (+18,3% que em 2014) e um número de visitas de 44.194 (+35,3% que em 2014). As referidas estatísticas registaram, em 2015, 1.206.726 hits (+103,5% que em 2014) e uma largura de banda de 926,62 GB (-44,9% que em 2014).

Em 31 de Dezembro de 2015 a base associativa da APVGN contava com 23 entidades associadas, além de numerosos sócios individuais. Destaca-se a importante adesão da Dourogás, empresa que tem dinamizado a instalação de novos postos de abastecimento de VGNs, bem como a saída de três empresas associadas. Quanto aos associados individuais, o seu número mantém-se aproximadamente constante com a saída de alguns e entrada de outros.

Dentre as actividades realizadas em 2015 devem-se destacar duas tomadas de posição públicas acerca de assuntos candentes:

– Carta aberta às autoridades portuguesas, em 16/Agosto, acerca da qualidade do ar no Porto e a ameaça que pesa sobre a frota de VGNs da STCP;
Declaração da APVGN acerca do Ciclo Diesel, em 23/Setembro, acerca do episódio relativo à medição de emissões poluentes.
Além disso, a APVGN manteve
– Colaboração com a ADENE no seu estudo acerca da utilização do gás natural liquefeito (GNL) no transporte de mercadorias;
– Colaboração com a LTA para a elaboração de cursos exigidos pelo IMT;
– Participação em reuniões do PO SEUR (Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos);
– Colaboração regular nas revistas Turbo Oficina Pesados e Pós Venda Pesados;
– Respostas a constantes pedidos de esclarecimento de interessados em VGNs;
– Várias iniciativas junto a empresas e Câmaras Municipais;
– Participação em eventos diversos.

Numa perspectiva mundial, verificou-se que o parque mundial de VGNs continuou a crescer de modo sustentado. Na Europa, vários governos continuaram a desenvolver políticas activas em prol dos VGNs, nomeadamente através do apoio à instalação de postos públicos de abastecimento de GNC e da promoção de investimentos para a produção de biometano. No entanto, em Portugal esses apoios continuaram praticamente nulos. Apesar disso, em 2015 avançou-se com a instalação de novos postos GNL e GNC. No fim do ano estava em processo de instalação um novo posto GNL/GNC em Elvas/Caia (a ser inaugurado em 2016).

EVOLUÇÃO PREVISÍVEL DA ASSOCIAÇÃO

Para a APVGN constitui motivo de grande preocupação a renovação das frotas de VGNs da STCP e da Carris, empresas que passaram por um processo tormentoso devido a tentativas de privatização. A perturbação causada por tais tentativas prejudicou o funcionamento normal dessas empresas, inclusive no acesso ao financiamento necessário. No caso da STCP, esta perturbação levou à saída de quadros importantes que a integravam, nomeadamente o seu director Eng. Jorge Manuel Rocha Teixeira. Em consequência, em 29/Junho o Eng. Rocha Teixeira renunciou ao cargo de Vice-Presidente da APVGN.

Por outro lado, em 2016 a APVGN continuará a apoiar novas iniciativas para a introdução de VGNs em frotas de autocarros, nomeadamente aquela em curso nos Transportes Colectivos de Barreiro – com a instalação de posto de abastecimento em regime de serviço público.

A Associação apoia o estudo desenvolvido pela GASNAM que preconiza a instalação de 33 postos GNC em Portugal bem como de oito postos GNL. Em relação à Lisboa, a APVGN tem feito diligências junto a associações de taxistas para acelerar a instalação de postos GNC.

RESULTADOS
A APVGN mantém-se a contenção dos seus custos de funcionamento, o que reflecte o panorama geral do país. Apesar das dificuldades, em termos de Balanço, conseguiu-se manter um equilíbrio pois as responsabilidades estão garantidas pelas disponibilidades. O activo 31/Dezembro/2015 era constituído por 0,02% de imobilizado, 48,57% de dívidas de terceiros e 51,17% de disponibilidades, ao passo que o passivo é constituído, essencialmente, pela rubrica de Outros Passivos Correntes, que integra 18.999.01€ de honorários a liquidar, não existindo praticamente dívidas a terceiros.

No plano económico a Associação apresentou custos no valor de 28.774,17€ que foram cobertos com quotizações dos associados 28.055,00€. Assim, o resultado líquido apurado no exercício foi de 160.88€ o qual propomos à Assembleia-Geral seja transferido para a conta de Resultados Transitados.

Eng. Jorge Manuel Quintela de Brito Jacob (Presidente)

Lic. Jorge Fidelino Galvão de Figueiredo (Vice-Presidente)

Eng. Luís Gomes Pereira (Vice-Presidente)

Eng. José Costa Pereira (Vice-Presidente)

Paulo Rui Ferreira (Vice-Presidente)

José Manuel Núncio Gabriel Pedroso (Vice-Presidente)