(Aprovado na Assembleia Geral de 21/Junho/2005)

O exercício de 2004 foi o terceiro ano de actividade plena da Associação Portuguesa do Veículo a Gás Natural (APVGN).

Neste exercício foi concluído o projecto de demonstração de veículos a gás natural no serviço de táxi, o qual apresentou resultados satisfatórios e demonstrou a apetência desse sector profissional por tal solução.

Em 2004 a principal preocupação da Associação foi a abertura de postos públicos de abastecimento de gás natural comprimido (GNC), tendo sido efectuadas muitas diligências junto a numerosas entidades. Estas diligências começaram, finalmente, a dar os primeiros resultados.

Por outro lado, reforçou-se a base de associados da APVGN com a entrada de uma empresa importante: a VALORSUL, sita em São João da Talha, Concelho de Loures. Acresce que este novo associado decidiu avançar com a solução dos VGNs, o que implica a instalação de um posto de abastecimento de GNC nas suas instalações e a aquisição de uma frota de 40 camiões a gás natural.

Em 2004 a APVGN manteve-se como o membro nacional da European Natural Gas Vehicle Association (ENGVA). A Associação só não participou da sua 10ª conferência, realizada em Graz (Áustria) por considerar que os seus esforços principais deveriam ser aplicados no plano interno português. No entanto, a APVGN esteve presente num curso de introdução aos veículos a gás natural realizado pela ENGVA na sua sede em Amsterdam.

Durante o exercício os responsáveis da APVGN continuaram a desenvolver actividades promocionais, nomeadamente com a publicação de artigos em revistas e jornais (“Revista Anoreca”, “Revista da Retális”, etc) e participação em colóquios (como o realizado no ISEL, em 5 de Maio). O sítio web da APVGN, http://www.apvgn.pt, manteve-se sempre actualizado. Em Dezembro de 2004 o número acumulado de visitantes do sítio atingiu cerca de 15 mil.

EVOLUÇÃO PREVISÍVEL DA ASSOCIAÇÃO

Em 2005 a Administração da APVGN pretende:

  • participar, directa ou indirectamente, de todas as iniciativas tendentes a criar postos públicos de abastecimento de gás natural comprimido, a começar por Lisboa e Porto. A instalação de postos de abastecimento de carácter público continua a ser uma preocupação absolutamente prioritária e a Associação deverá fazer todos os esforços para que concretize. A não existência de postos públicos para o abastecimento do GNC é praticamente o único obstáculo para o desenvolvimento dos VGNs em Portugal..
  • manter um bom relacionamento com a DGTT, com possíveis novas colaborações quando oportuno;
  • manter a sua “visibilidade” (entrevistas à comunicação social, palestras, participação em eventos, etc);
  • colaborar para o avanço do projecto de lançamento dos 200 táxis VGNs, promovendo-o junto aos poderes públicos;
  • realizar estudos técnicos e económicos para as autarquias que os encomendarem;
  • promover cursos, em colaboração com o IST e outras entidades.

RESULTADOS

Do ponto de vista financeiro, verifica-se, através do Balanço, uma situação equilibrada pois as responsabilidades encontram-se garantidas pelas disponibilidades.

No plano económico a Associação apresenta custos no valor de € 87.071,52 que foram cobertos com quotas dos associados, subsídio à exploração da DGTT, por prestação de serviços e juros obtidos de depósitos a prazo. Assim, e depois de constituída uma dotação para amortizações no valor de € 25.203,40, o Resultado Líquido do Exercício apurado foi de € 1.323,53, o qual propomos à Assembleia Geral seja transferido para a conta de Resultados Transitados.

Lisboa, 25 de Março de 2005

Os Administradores

Henrique Marques dos Santos

Jorge Fidelino G. de Figueiredo

Isabel Fernandes

Maria Teresa São Pedro

Tiago Farias