Declaração da APVGN acerca do Ciclo Diesel

A ameaça aos VGNs da STCP
29 Agosto, 2015
Os desvarios da Quercus
12 Março, 2016

Declaração da APVGN acerca do Ciclo Diesel

Declaração da APVGN acerca dos veículos de Ciclo Diesel

O recente episódio verificado com os veículos de Ciclo Diesel da Volkswagen, que levou a demissão do seu Presidente, vem confirmar as numerosas advertências da APVGN quanto a esta tecnologia de motores de combustão interna. Reiterando os pontos principais, a APVGN recorda que:

1) Os motores de Ciclo Diesel, apesar de terem melhor rendimento que os de Ciclo Otto, são intrinsecamente maus para o ambiente pois emitem necessariamente partículas sólidas (particulate matter 2,5 e 10) que poluem o ar que respiramos.

2) A afirmação anterior é verdadeira seja qual for o combustível utilizado num motor de Ciclo Diesel, o gasóleo ou o biodiesel.

3) O gasóleo é particularmente poluente pois cada molécula deste combustível tem 10 (dez) átomos de carbono.

4) O gasóleo, além disso, tem propriedades cancerígenas para seres humanos, como foi demonstrado pela International Agency for Research on Cancer (IARC). Esta agência reclassificou o gasóleo entre os factores de risco, passando-o do Grupo 2A (o agente é provavelmente cancerígeno para humanos) para o Grupo 1 (O agente é cancerígeno para humanos). Ver revista VGN, nº 5, pgs. 20 e 21, a qual pode ser descarregada no sítio web da APVGN, http://apvgn.pt/wp-content/uploads/vgn_05.pdf.

5) A Coreia do Sul, por razões ecológicas, proibiu a circulação de autocarros de Ciclo Diesel em todo o seu território. Por sua vez, a municipalidade de Madrid proibiu igualmente a renovação da frota local de autocarros urbanos com motores de Ciclo Diesel. Em França, todas as cidades importantes dispõem de frotas de autocarros a gás natural. Os veículos a gás natural avançam em todo o mundo (neste momento já há mais de 23 milhões em circulação).

6) O único combustível ecológico existente que está em condições de substituir o gasóleo numa escala generalizada e maciça é o Metano (CH4), cuja molécula tem apenas 1 (um) átomo de carbono.

7) Conviria que as autoridades portuguesas – central e locais – se preocupassem seriamente com a brutal dieselização do parque automóvel português. Substituir veículos de Ciclo Diesel com um mau combustível como o gasóleo por veículos de Ciclo Otto com um bom combustível como o gás natural é sempre uma política saudável tanto do ponto de vista ambiental como económico.

Lisboa, 23 de Setembro de 2015.
Jorge Jacob
Presidente da APVGN

2 Comentários

  1. Luciano Barreira diz:

    Tenciono saber mais sobre o uso de gás natural para automóveis, haver uma associação que defenda esta alternativa é bom. Menos bom é se associação tiver um comportamento marcado pela defesa de meias verdades, ou verdades distorcidas, de que o artigo é um exemplo. Prefiro ser informado a formatado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *